São Cirilo de Jerusalém (Doutor da Igreja) - Por Luciano Bandeira

Todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo. Porém, como invocarão aquele em quem não têm fé? E como crerão naquele de quem não ouviram falar? E como ouvirão falar, se não houver quem pregue? E como pregarão se não forem enviados?

No trecho acima, retirado do capítulo dez da Carta aos Romanos, podemos notar que São Paulo nos mostra a necessidade de pregadores que levem a verdade do evangelho. São Cirilo de Jerusalém foi um desses enviados por Deus, pois durante toda sua vida defendeu a fé católica, num século repleto de heresias.

Cirilo nasceu em Jerusalém ou arredores, no ano 315. Pouco se conhece de sua infância e juventude, a não ser que se aplicou cedo ao estudo das Sagradas Escrituras e de escritores eclesiásticos, bem como da retórica, o que depois se refletiria no seu magistério. Sua festa litúrgica é comemorada no dia 18 de março.

Ordenado sacerdote por São Máximo de Jerusalém, dedicou-se logo à catequese dos catecúmenos (recém-convertidos que se preparavam para o batismo). Muito versado, refutava os pagãos com suas próprias armas, ou seja, o ensino da verdade.

Seus sermões eram tão apreciados, que pessoas anônimas as foram anotando. Tais notas formaram precioso conjunto, que foi publicado sob o título de Catequeses, obra que valeu para Cirilo o título de Doutor da Igreja.

Como essas pregações visavam à formação dos catecúmenos, Cirilo explica primeiramente o Símbolo dos Apóstolos (o Credo); depois os Sacramentos que os neófitos (recém-admitidos na fé) deveriam receber num mesmo dia, isto é, Batismo, Confirmação e Eucaristia. Em seguida, discorre sobre a Santíssima Trindade, aproveitando toda ocasião para combater erros e heresias contra a verdadeira fé. Foi um extraordinário pregador e catequista.

Com a morte do Bispo Máximo, Cirilo foi consagrado Bispo de Jerusalém. Pouco depois de ter assumido o episcopado, ocorreu um grande milagre, que foi visto por milhares de pessoas e é atestado inclusive por historiadores pagãos. “No dia 7 de maio de 351, às nove horas da manhã, uma imensa cruz de luz apareceu acima do Gólgota, estendendo-se até o Monte das Oliveiras, distante cerca de três quartos de légua. Ela se mostrou muito distintamente não a uma ou duas pessoas, mas a toda a população da cidade... permaneceu visível aos olhos sobre a Terra e era mais brilhante que o sol”. Com um misto de susto e alegria, o povo correu para as igrejas, louvando o Senhor por essa manifestação de seu poder. Com isso muitos pagãos se converteram!

De certa forma, parece que aquela cruz era também um sinal das grandes dificuldades que iriam começar a ocorrer. Cruz para o povo, que sofreria com uma grande fome na região, gerando milhares de mortes. Cruz para Cirilo, que por sua bondade, conduta moral e retidão pastoral, passou a ser perseguido pelos hereges. Em função dessas perseguições, teve que se exilar por três períodos distintos, num total de 17 anos, voltando para Jerusalém, já quase no final de sua vida.

Ao retornar, viu sua diocese numa verdadeira calamidade espiritual, fruto de falsos ensinamentos dos hereges que ali permaneceram. Por isso, o Concílio de Antioquia (379), designou São Gregório de Nissa para ajudá-lo na reforma de seu rebanho.  É interessante ressaltar que as catequeses conhecidas de Cirilo foram feitas no curto período de paz que teve em sua vida, quando ainda era sacerdote. Transcrevo abaixo alguns trechos que mostram a riqueza e eloquência de suas catequeses.

O Batismo

Caros iluminados, eis que já aspirais um perfume de felicidade. Já colheis flores místicas para tecer coroas celestes. Já foi derramado o doce odor do Espírito Santo. Eis que já alcançastes o vestíbulo do palácio real. Debaixo dos vossos olhos, as árvores estão em flor: presságio de uma colheita superabundante (Pró-catequese, t. 1,332 a 1).

 

Pecadores, olhemos para a esperança!

Aquele que, com seu sangue, pagou, por nós, o preço do resgate, vai igualmente arrancar-nos do pecado. Não percamos a coragem a nosso respeito, irmãos; não mergulhemos no desespero, porque é terrível não acreditar na possibilidade da sua salvação... Uma terra cheia de silvas, cuidadosamente desbravada, transforma-se em terra fértil; e a nossa salvação não poderá ser restaurada? Por isso, vamos, pois a natureza é capaz da salvação, desde que a vontade comece... (Segunda catequese batismal, 472 B 7).

 

O sinal da Cruz, orgulho do cristão!

Não nos envergonhemos da cruz. Mesmo que alguém a esconda, tu, meu irmão, traça a cruz na tua fronte a fim de que os demônios, ao verem este sinal, fujam para longe, aterrados. Faz este sinal quando comeres e beberes, quando te sentares e te levantares, quando falares e caminhares; em suma, em todos os teus atos (Quarta catequese batismal, 472 B 7).

 Coragem! Nós ressuscitaremos!

A esperança da ressurreição é a raiz de todas as virtudes. A expectativa da recompensa incita a alma a agir bem. Todo trabalhador está pronto para suportar as fadigas, se, por isso, espera uma recompensa... Assim também aquele que crê que o corpo humano ressuscitará, respeitará sua túnica de pele e evitará sujá-la com a prostituição. Quem não crê abusa de seu corpo, como faria com o corpo de um estranho... A ressurreição dos mortos é um artigo importantíssimo! Todavia, os Gregos combatem-no, os Samaritanos negam-no e os hereges rasgam-no. A contradição tem muitas máscaras, mas a verdade nunca as tem (Décima oitava catequese batismal, 1017 A 1).

Após ter combatido o bom combate e guardado a fé, entrou no Céu no ano de 386, aos 71 anos. São Cirilo interceda por nós, para que tenhamos, como você, o mesmo zelo e amor, por tudo que vem de Deus.