São Gregório Magno, Doutor da Igreja - Por Luciano Bandeira

                Deus fez as coisas ordenadas conforme os diversos graus de Beleza e Nobreza, e, quanto mais estão próximas de Deus, tanto melhores e mais belas são. Essa afirmação de Santo Tomás de Aquino serve perfeitamente para o Papa São Gregório Magno. Sua vida foi de uma beleza que só pode ser explicada por essa estrita proximidade com Deus.

                Família de Santos

                São Gregório nasceu em 540 em uma familia riquissima materialmente e espiritualmente. Seu primeiro biógrafo, João, o Diácono , escreveu que sua educação era de um santo entre santas, pois sua mãe Silvia, e suas tias, Tarsila e Emília foram elevadas a honra dos altares. Seus pai, assim que os filhos ficaram independentes, decidiram, de comum acordo, tomar o estado religioso. O Pai, Gordiano, foi ordenado cardeal diácono e a mãe virou freira.

                Morte do Pai, dedicação a Deus e a eleição como Papa

                Era dotado de excepcional inteligência e brilhante memória. Enquanto seu pai estava vivo, Gregório tomou parte na vida do Estado, chegando a ser prefeito de Roma. Com a morte do pai, resolveu retirar-se do mundo e consagrar-se a Deus. Isso deu-se provavelmente em 574. Com sua grande fortuna, fundou seis mosteiros na Sicília, além de um em Roma, em seu palácio, com o nome de Santo André. Nele tomou o hábito religioso. Em 577 foi nomeado cardeal-diácono pelo papa Bento I. Mais tarde, o Papa Pelágio II o enviou para Constantinopla, como legado e embaixador junto ao imperador Tibério. Depois de seis anos de vida diplomática nessa cidade, foi chamado de volta para Roma, provavelmente em 585, sendo então eleito o abade de do Mosteiro Santo André.  No ano de 590, terríveis inundações seguidas de peste assolaram Roma causando a morte do Papa Pelágio. O clero, o povo e o Senado de Roma escolheram-o unanimemente para o Pontificado.

                Problemas de todo tipo, tamanho e natureza

                A Cruz sempre acompanhou a Igreja nesses dois milênios. A época de São Gregório foi uma das mais difíceis. Ele enfrentou e venceu todos os tipos de dificuldades:  a peste,  os tremores de terra, os bárbaros, os hereges,  a desintegração do governo civil, o clero, o surgimento de pequenos tiranos em Roma e por fim seu próprio corpo, consumido por enfermidades.  Apesar disso conseguiu reconduzir milhares de Hereges para Santa Igreja. Catequizou a Inglaterra, restabeleceu a fé na Espanha danificada pelos Arianos, converteu os  lombardos, libertou a África da heresia dos Donatistas e acabou com a simonia(comércio das coisas sagradas) na França.

                Seu legado como Papa (Catequeses, Liturgia, Canto, Caridade...)

                Escreveu alguns livros espetaculares e 850 cartas com comentários sobre o evangelho, onde sempre defendia a necessidade de seguir o exemplo de Jesus Cristo.  Por seus escritos ganhou o título de Doutor da Igreja. Foi responsável pela compilação dos sete pecados capitais, adaptando para o ocidente a partir das oito tentações descritas pelo monge Evágrio Pontico, dois séculos antes.  Consolidou a liturgia e a codificação do canto eclesiástico, chamado de Canto Gregoriano em sua homenagem. A ele se deve, por exemplo, o costume de cantar o Kyrie eleison na Missa, a introdução do Pai Nosso antes da fração da hóstia, e dos aleluias nos ofícios divinos, mesmo fora do tempo pascal. A grande marca de seu pontificado foi a defesa da fé e a caridade. Ele montou uma rede de ajuda para os necessitados em Roma visando diminuir a dor do povo. Certa vez, quando informado  que pessoas haviam morrido de fome, chorou abertamente na frente de todos.

                Servo dos Servos de Deus

                Certa vez ele se entitulou como sendo "Servo dos Servos de Deus". Esse título começou a ser usado por ele e depois foi seguido por todos os Papas até hoje. Não apenas usou, mas verdadeiramente viveu essas palavras como reflexo de sua vida humilde.Ele falava que só considerava como amigos aqueles que tinham a generosidade de mostrar seus defeitos, pois estes o ajudavam a vencer o pecado. Para ele a santidade era sempre possível mesmo nas épocas mais difíceis.              

                Um convidado muito ilustre...

                O diácono Pedro, que possuia toda confiança de São Gregório, afirma ter visto muitas vezes o Espirito Santo na forma de uma pomba branca descer sobre o Santo Padre. Esse é o motivo pelo qual muitos quadros mostram-o tendo uma pomba branca pairando sobre sua cabeça.  A tradição da Igreja conta que ele tinha o costume de, em certas noites, convidar para jantar e conversar, doze pobres, como se fossem os doze apóstolos. Certo dia ele notou que havia treze e não doze, e chamando a cozinheira perguntou quem era aquele que ali estava e que não havia sido convidado. A cozinheira respondeu: " Santo Padre, o senhor esta equivocado.Só tem doze pessoas aqui". Mas Gregório ainda contava treze. Após o jantar, ele chamou o décimo terceiro convidado e perguntou:"Quem é você ?" e o convidado respondeu: "Eu sou um pobre homem que você acaba de saciar e através de mim obterá o que pedir de Deus". Só então Gregório percebeu que havia jantado com o Senhor Jesus.

                Conclusão

                Ele faleceu em 12 de março de 604 em Roma, e foi canonizado por aclamação. O Papa São Gregório foi um homem fabuloso daqueles que nascem a cada 3 ou 4 séculos. Seu trabalho de amor ao próximo e zêlo em defesa da fé deixou um legado extraordinário para a Igreja e para o mundo até hoje. Todos esses grandes Santos só se tornaram esses gigantes em função do Amor e proximidade com Deus. Compreenderam de maneira perfeita a afirmação de Santo Antônio de Padua: “As perguntas são muitas, mas a resposta é uma só: Jesus Cristo Nosso Senhor!”.

                São Gregório, interceda por nós!