Especial - Material para formação e partilha - Por Marcos Rocha

           Neste especial, estamos publicando um pequeno material, porém indispensável conteúdo para formação do cristão. Vamos abordar os sete sacramentos, com uma pequena introdução e textos separados para cada um deles.

Sacramento da Crisma, da Confirmação (do Batismo): At 8,14-20; At 19,1-7, II Cor 1,21-22; I Cor 12,4-12
 

 

14 Os apóstolos, pois, que estavam em Jerusalém, tendo ouvido que os da Samaria haviam recebido a palavra de Deus, enviaram-lhes Pedro e João;

15 os quais, tendo descido, oraram por eles, para que recebessem o Espírito Santo.

16 Porque sobre nenhum deles havia ele descido ainda; mas somente tinham sido batizados em nome do Senhor Jesus.

17 Então lhes impuseram as mãos, e eles receberam o Espírito Santo.

18 Quando Simão viu que pela imposição das mãos dos apóstolos se dava o Espírito Santo, ofereceu-lhes dinheiro,

19 dizendo: Dai-me também a mim esse poder, para que aquele sobre quem eu impuser as mãos, receba o Espírito Santo.

20 Mas disse-lhe Pedro: Vá tua prata contigo à perdição, pois cuidaste adquirir com dinheiro o dom de Deus. (At 8,14-20)

 

1 E sucedeu que, enquanto Apolo estava em Corinto, Paulo tendo atravessado as regiões mais altas, chegou a Éfeso e, achando ali alguns discípulos,

2 perguntou-lhes: Recebestes vós o Espírito Santo quando crestes? Responderam-lhe eles: Não, nem sequer ouvimos que haja Espírito Santo.

3 Tornou-lhes ele: Em que fostes batizados então? E eles disseram: No batismo de João.

4 Mas Paulo respondeu: João administrou o batismo do arrependimento, dizendo ao povo que cresse naquele que após ele havia de vir, isto é, em Jesus.

5 Quando ouviram isso, foram batizados em nome do Senhor Jesus.

6 Havendo-lhes Paulo imposto as mãos, veio sobre eles o Espírito Santo, e falavam em línguas e profetizavam.  7 E eram ao todo uns doze homens. (At 19,1-7)

 

Observamos aqui que existe um novo sacramento, administrado após o batismo. É o que a Igreja chama de sacramento da Crisma ou da Confirmação, porque aperfeiçoa o batismo. O cristão é levado a confirmar o seu batismo, para ser transformado em uma autêntica testemunha do amor de Deus. 

 

Muitas seitas protestantes desconhecem totalmente a existência deste sacramento. Chamado biblicamente de “unção do Espírito Santo”, a Confirmação desperta mais fortemente no crismando os dons do Espírito Santo, que devem ser vividos intensamente. São sete enumerados biblicamente: ciência, fortaleza, sabedoria, entendimento, piedade, conselho e temor de Deus(Is 11,1-3) . Dons que devem ser praticados, e não sufocados.

 

  Os sete Dons do Espírito Santo:

  Sabedoria: Não a sabedoria do mundo, mas aquela que nos faz reconhecer e buscar a verdade, que é o próprio Deus: fonte da sabedoria. Verdade que encontramos na Bíblia

  Entendimento: É o dom que nos faz aceitar as verdades reveladas por Deus.

  Conselho: É a luz que nos dá o Espírito Santo, para distinguirmos o certo do errado, o verdadeiro do falso, e assim orientarmos acertadamente a nossa vida, e a de quem pede um conselho.

  Ciência: Não é a ciência do mundo, mas a ciência de Deus. A verdade que é vida. por esse dom o Espírito Santo nos indica o caminho a seguir na realização da nossa vocação.

  Fortaleza: É o dom da coragem para viver fielmente a fé no dia-a-dia, e até mesmo o martírio, se for preciso.

  Piedade: É o dom pelo qual o Espírito Santo nos dá o gosto de amar e servir a Deus com alegria. Nesse dom nos é dado o sabor das coisas de Deus.

  Temor de Deus:Temor aqui não significa "ter medo de Deus", mas um amor tão grande, que queima o coração de Respeito por Deus. Não é um pavor pela justiça divina, mas o receio de ofender ou desagradar a Deus.

 

Trata-se do sacramento da maturidade cristã. Aqui sim, a consciência do crismando é essencial e deve existir, pois se trata de uma confirmação.

A Confirmação aperfeiçoa a graça batismal; é o sacramento que dá o Espírito Santo para enraizar-nos mais profundamente na filiação divina, incorporar-nos mais firmemente a Cristo, tornar mais sólida a nossa vinculação com a Igreja, associar-nos mais à sua missão e ajudar-nos a dar testemunho da fé cristã pela palavra, acompanhada das obras.  (Catecismo da Igreja nº 1316)