Especial - Material para formação e partilha - Por Marcos Rocha

           Neste especial, estamos publicando um pequeno material, porém indispensável conteúdo para formação do cristão. Vamos abordar os sete sacramentos, com uma pequena introdução e textos separados para cada um deles.

Sacramento da Confissão ou Reconciliação: Mt 18,18; Jo 20,22-23
 

 15 e dizendo: O tempo está cumprido, e é chegado o reino de Deus. Arrependei-vos, e crede no evangelho. (Mc 1,15)

 Conversão significa mudança da vida de pecado para viver o amor de Deus. É o exemplo de Zaqueu, o cobrador de impostos, que roubava dinheiro dos pobres (Lc 19,1-10).

 Mais uma vez o Filho Unigênito de Deus nos ensina que se trata de um Deus Misericordioso. Aliás, o Deus Misericordioso, Justo e Bom. Na parábola do Filho Pródigo (Lc 15,11-32) vemos o Pai aceitando a volta do filho pecador, que retorna através do sacramento da Confissão, Penitência ou Reconciliação.

 E aqui está a ordem expressa de Jesus para seus apóstolos.

 18 Em verdade vos digo: Tudo quanto ligardes na terra será ligado no céu; e tudo quanto desligardes na terra será desligado no céu. (Mt 18,18)

 22 E havendo dito isso, assoprou sobre eles, e disse-lhes: Recebei o Espírito Santo.

23 Àqueles a quem perdoardes os pecados, são-lhes perdoados; e àqueles a quem os retiverdes, são-lhes retidos. (Jo 20,22-23)

 Para praticarmos uma Reconciliação eficiente, precisamos de um bom exame de consciência, um arrependimento eficaz, o bom propósito de não mais pecar, a confissão dos pecados e cumprir a penitência, que consiste no conselho do padre, que o perdoará e o absolverá. Devemos conhecer também a essência das palavras do Ato de Contrição a seguir:

              “Ó meu Jesus, meu bom Jesus, que por mim morreste na cruz, tem piedade de mim, perdoa os meus pecados! Por amor a Ti, não quero mais pecar. Amém”.

 Muitos cristãos desinformados criticam tal sacramento, argumentando que o padre confessor é homem como nós e não poderia nos perdoar.

 A resposta é simples. A Confissão é um sacramento, ou seja, um “sinal visível da graça divina”, um “santo mistério” e, portanto, uma ordem expressa do próprio homem-Deus. Jesus transmitiu esse poder e essa autoridade para seus escolhidos que, historicamente comprovados, possuem como sucessores os presbíteros católicos e ortodoxos.

 Podemos utilizar o mesmo exemplo do médico, que pode curar os doentes, porém também pode adoecer. O padre, através da Penitência, que vem do grego metanoia, que significa “purificação da mente”, pode nos perdoar e também pode pecar, pois é humano. O Sacramento da Confissão pode ser entendido como CONVERSÃO DO HOMEM PARA DEUS. Os padres são homens como nós, mas são ordenados, podem perdoar ou não os nossos pecados por ordem do próprio Jesus Cristo. É cura para a alma, recebendo o perdão de Deus.

 

Obs.: O poder da excomunhão
 

 Jesus deu aos apóstolos e seus sucessores o poder de excomungar, ou seja, facilitando a linguagem, de não perdoar os pecados dos homens. Logicamente, cabe a Deus permitir ou não que, no decurso ou no final da vida de um homem excomungado, este seja salvo. Sem mencionar o fato de que este perdão ainda pode ser conseguido através do sacramento da confissão, caso o sacerdote observe realmente uma mudança de vida.

 22 E havendo dito isso, assoprou sobre eles (os doze), e disse-lhes: Recebei o Espírito Santo. 23 Àqueles a quem perdoardes os pecados, são-lhes perdoados; e àqueles a quem os retiverdes, são-lhes retidos. (Jo 20,23)

A excomunhão é necessária, pois existem pecados, por exemplo, que não podem ser perdoados, se a pessoa não quer receber o perdão, por exemplo. Negar a Verdade conscientemente, voluntariamente, com pleno conhecimento é apostasia, pecado contra o Espírito Santo, que fica retido, ou seja, não se perdoa.

 26 Porque se voluntariamente continuarmos no pecado, depois de termos recebido o pleno conhecimento da verdade, já não resta mais sacrifício pelos pecados,  27 mas uma expectação terrível de juízo, e um ardor de fogo que há de devorar os adversários.(Hb 10,26-27)

 Negar a verdade com pleno consentimento, negar a  misericórdia de Deus, não aceitar o perdão de Deus, são exemplos de pecados que podem não ser perdoados. Acima de tudo, é necessário mudança de vida, conversão!

15 Se me amardes, guardareis os meus mandamentos.

16 E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Ajudador, para que fique convosco para sempre.

17 a saber, o Espírito da verdade, o qual o mundo não pode receber; porque não o vê nem o conhece; mas vós o conheceis, porque ele habita convosco, e estará em vós. (Jo 14,15-17)

 

31 Portanto vos digo: Todo pecado e blasfêmia se perdoará aos homens; mas a blasfêmia contra o Espírito não será perdoada. 32 Se alguém disser alguma palavra contra o Filho do homem, isso lhe será perdoado; mas se alguém falar contra o Espírito Santo, não lhe será perdoado, nem neste mundo, nem no vindouro. (Mt 12,31-32)

 Devemos saber também que esta recusa deve ser voluntária, com pleno conhecimento do que se nega. Somente o Espírito de Deus para conduzir esta avaliação com exatidão.

  Participando regularmente deste santo mistério, do sacramento da confissão, nos aproximamos cada vez mais de nosso querido Pai, o autor da vida.

 

Sacramento da Unção dos Enfermos: Mt 10,8; Tg 5,14-15
 

 8 Curai os enfermos, ressuscitai os mortos, limpai os leprosos, expulsai os demônios; de graça recebestes, de graça dai. (Mt 10,8)

 Muitos foram os milagres operados por Jesus Cristo.  E não foram somente os milagres narrados nos evangelhos. Outros foram realizados, mas não registrados, conforme Jo 20,30-31. 

 Nestas passagens destacadas acima, verificamos que Jesus ordena que os enfermos sejam curados pelos apóstolos. Entretanto, se trata de cura espiritual e, conforme  a vontade do Senhor, primeiramente, de cura física também. A bênção do sacerdote conforta o doente. Recebe-se coragem para suportar a dor. E mais: os pecados são perdoados e isto é o maior alívio que se pode dar. A felicidade verdadeira não está na saúde física, mas na pureza espiritual, na salvação. A felicidade é estar consciente de que nos encontramos em paz com Deus.

 Jesus curava fisicamente para provar a sua divindade, como está em Lc 5,17-26.

 15 E disse-lhes: Ide por todo o mundo, e pregai o evangelho a toda criatura.

16 Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado.

17 E estes sinais acompanharão aos que crerem: em meu nome expulsarão demônios; falarão novas línguas;  18 pegarão em serpentes; e se beberem alguma coisa mortífera, não lhes fará dano algum; e porão as mãos sobre os enfermos, e estes serão curados. ( Mc 16,15-18)

 

14 Está doente algum de vós? Chame os anciãos da igreja, e estes orem sobre ele, ungido-o com óleo em nome do Senhor; 15 e a oração da fé salvará o doente, e o Senhor o levantará; e, se houver cometido pecados, ser-lhe-ão perdoados. (Tg 5,14-15)  

Temos ainda a forma extrema deste santo mistério, onde o doente, à beira da morte, pode recebê-lo e ter todos os seus pecados perdoados.

  O Sacramento da Unção dos Doentes é mais um sacramento que celebra a vida. A vida com Cristo.