Especial - Material para formação e partilha - Por Marcos Rocha

           Neste especial, estamos publicando um pequeno material, porém indispensável conteúdo para formação do cristão. Vamos abordar os sete sacramentos, com uma pequena introdução e textos separados para cada um deles.

Sacramento da Ordem: Jo 20,21-23; Lc 10,16; MC 4,34; At 1,8; II Pe 1,20-21; Mt 18,18 (liga); Lc 22,19. Celibato: Lc 18,28-30; I Tm 3,2; I Cor 7,32-34; Eunucos Mt 19,10-12.
 

 

21 Disse-lhes, então, Jesus segunda vez: Paz seja convosco; assim como o Pai me enviou, também eu vos envio a vós.

22 E havendo dito isso, assoprou sobre eles, e disse-lhes: Recebei o Espírito Santo.

23 Àqueles a quem perdoardes os pecados, são-lhes perdoados; e àqueles a quem os retiverdes, são-lhes retidos. (Jo 20,21-23)

 

16 Quem vos ouve, a mim me ouve; e quem vos rejeita, a mim me rejeita; e quem a mim me rejeita, rejeita aquele que me enviou. (Lc 10,16)

 

34 E sem parábola não lhes falava; mas em particular explicava tudo a seus discípulos. (Mc 4,34)

 

18 Em verdade vos digo: Tudo quanto ligardes na terra será ligado no céu; e tudo quanto desligardes na terra será desligado no céu. (Mt 18,18)

 

19 E tomando pão, e havendo dado graças, partiu-o e deu-lho, dizendo: Isto é o meu corpo, que é dado por vós; fazei isto em memória de mim. (Lc 22,19)

 

A vocação sacerdotal é chamado de Deus. Aceita quem quiser e quem for capaz de cultivá-la. Jesus foi preciso neste sentido. Nas primeiras passagens (Jo 20,21-23 e Lc 10,16), Jesus se iguala ao Pai e iguala seus apóstolos a Si mesmo. Isto é muito importante. Jesus sopra sobre os doze apóstolos o Espírito Santo e, como em Mt 18,18; lhes assegura uma autoridade soberana. 

 

Jesus explicava todo o mistério de Deus para esses homens (Mc 4,34), pois este “Magistério da Igreja” deveria existir, para preservar e difundir a Palavra.

 

O sacramento da Ordem possui sua raiz em Lc 22,19. Neste momento, o Messias ordena que seus apóstolos repitam a Eucaristia até a consumação dos séculos. Esta missão sagrada se perpetua até hoje, com os bispos e padres católicos.

 

Tal sacramento possui três graus: os Bispos, que são os sucessores dos apóstolos e auxiliares do Papa. Os padres, que auxiliam os bispos. E os diáconos, que sob autoridade do bispo, celebram a palavra, batizam, assistem e abençoam casamentos, dentre outras prerrogativas.

 

Tal sacramento tem caráter indelével, isto é, nunca se apaga. Mesmo que o sacerdote abandone a Igreja, ele terá esta marca divina em sua alma. É sacramento de serviço porque o padre tem a missão de servir o povo de Deus. E de comunhão porque o padre precisa estar em comunhão com Jesus e a Igreja.

 

Como já vimos em itens anteriores, Jesus fundou a Igreja Católica, escolheu doze apóstolos e os incumbiu de administrarem sete sinais visíveis da Graça Santificante (os sacramentos). O Cristo também lhes deu autoridade de interpretar e difundir fielmente a palavra de Deus, pois nenhuma profecia é de particular interpretação. Em At 8,23s vemos claramente o escolhido Felipe interpretando uma passagem bíblica para outra pessoa.

 

20 sabendo primeiramente isto: que nenhuma profecia da Escritura é de particular interpretação.

21 Porque a profecia nunca foi produzida por vontade dos homens, mas os homens da parte de Deus falaram movidos pelo Espírito Santo.(II Pe 1,20-21)

 

A questão do celibato: refletir sobre Lc 18,28-30; I Tm 3,2; I Cor 7,32-34; Mt 19,10-12.